local 1

Atendimento deve englobar pacientes com demência e seus cuidadores

Por CABN em 21/09/2021 às 07:20:56
Experiências em dois estados norte-americanos mostram que iniciativas interdisciplinares são as mais eficazes Hoje escrevo sobre duas experiências de serviços de saúde para idosos com demência e seus cuidadores, ambas de estados norte-americanos: Illinois e Havaí. As apresentações foram feitas semana passada, em evento on-line do Centro Nacional de Recursos para Alzheimer e Demência (NADRC em inglês), e me interessaram porque Illinois, embora seja um dos principais centros financeiros do país graças à cidade de Chicago, enfrenta, historicamente, um quadro de grande desigualdade social. Já o Havaí vive do turismo e tem o desafio de atender a uma população que se espalha entre as oito maiores ilhas do arquipélago. Temos pontos em comum com eles e sempre há a oportunidade de aprender.

Phyllis Roat, coordenadora do Departamento de Envelhecimento de Illinois, também está à frente de um programa para combater a solidão entre idosos e promover ações para a criação de ambientes “amigos da demência” no estado. Explicou que o trabalho se baseia num tripé que reúne instituições com laços com a comunidade; serviços que atendam às necessidades das pessoas que vivem com demência; educação e suporte para os cuidadores.

Paciente com demência e cuidadora: serviços devem atender aos dois, de forma interdisciplinar

Alterio Feline para Pixabay

Entre os programas que citou estão o de treinamento e manejo do estresse para os cuidadores informais; prevenção de quedas; contação de histórias, que estimula a criatividade das pessoas com demência, em vez de focar em sua memória; música e memória, que se constitui na elaboração de uma lista personalizada das músicas preferidas dos pacientes; e o Opening Minds Through Art, que já foi tema de coluna do blog. Para prevenir quedas, é utilizado o Otago Exercise Program, que consiste em 17 exercícios de força e equilíbrio, a serem feitos três vezes por semana, on-line ou presencialmente, individualmente ou em grupo, com a supervisão de um profissional especializado. Estudos mostram que os participantes, que depois vão sendo monitorados, apresentam uma redução das quedas entre 35% e 40%.

Christy Nishita, pesquisadora do Centro de Envelhecimento da Universidade do Havaí, afirmou que o objetivo é garantir um atendimento centrado no paciente com demência e no seu cuidador. Nas visitas mensais às chamadas Clínicas da Memória, ambos passam por diversos especialistas que trabalham de forma interdisciplinar: geriatra, psicólogo, nutricionista, assistente social – todos com foco na qualidade de vida de ambos. Há também um programa no qual profissionais da saúde vão às casas para ajudar a “reconfigurar” o ambiente e as expectativas da família, tornando possível que muitos indivíduos em estágios iniciais da doença continuem a morar sozinhos. “Queremos tornar as pessoas e suas famílias mais capazes de lidar com a situação, evitando a institucionalização precoce”, afirmou.

Fonte: G1

Comunicar erro
local 2

Comentários

local 3